sábado, 18 de dezembro de 2010

ASSANTO Promove 2º Festival da Castanha de Santo Antonio

NESTE FIM DE ANO A ASSANTO PROMOVE O 2º FESTIVAL DA CASTANHA DE SANTO ANTONIO, ISSO TUDO PARA FORTALECER A AGRICULTURA NA NOSSA REGIÃO.

- Exposição da Gastronomia do Cajú e da Amêndoa.
- Assembleia Geral da ASSANTO.
- Apresentações Culturais.

PROGRAMAÇÃO DE SHOWS

18/12 (SÁBADO) A PARTIR DAS 9H DA NOITE - CÉSAR SHOW (A VISÃO DO SUCESSO). 

19/12 (DOMINGO) A PARTIR DAS 9H DA NOITE - FORRÓ NOVO STYLO.

VOCÊ NÃO PODE PERDER! É TOTALMENTE GRATIS!






.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Equipe do Projeto CAJUSOL Reúne-se com a ASSANTO (Sócios e outros segmentos da sociedade), onde foi criada a COMISSÃO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL


Neste Domingo, 5 de dezembro, a equipe do Projeto CAJUSOL (UERN) esteve no Distrito de Santo Antonio reunido com sócios da ASSANTO e outros representantes de entidades da comunidade (Saúde, grupos religiosos, agricultores, autônomos, etc) para apresentar o projeto em si e criar uma COMISSÃO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL para está articulando ações para o desenvolvimento do Projeto no decorrer de 2 anos.
GT 1

 GT 2

GT 3

COMISSÃO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 
Adalcimara Pontes (Grupo Religioso)
Gleison Martins (Diretor Financeiro da ASSANTO)
Helena Medeiros (Sócia da ASSANTO)
Iáliton Pontes (Sócio da ASSANTO e Bolsista do Projeto CAJUSOL)
Letícia Martins (Sócia da ASSANTO)
Luciene Alves (Sócia da ASSANTO)
Sérgio Oliveira (Presidente da ASSANTO)
Verônica Azevedo (Vice-Presidente da ASSANTO)

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

ASSANTO recebe a EMPARN e implanta o PROJETO CAJU-SOL

Projeto CAJUSOL (EMPARN) pretende revitalizar os pomares (MODELO) dos associados, trazendo tecnologia que no futuro trarão resultados que serão vistos por todos e servirão de incentivo para que outros agricultores melhorarem seus pomares.

Agrônomo realiza coleta em vários terrenos dos nossos agricultores/sócios para análise laboratorial. 

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Hoje, Dia Internacional da Luta Contra a AIDS


DADOS REAIS SOBRE A DOENÇA
De 1980 a junho de 2010, foram registrados 592.914 casos de Aids no Brasil, de acordo com o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde. Ao longo desse período, mais de 220 mil mortes ocorreram em decorrência da doença.
Outro dado preocupante é que o resultado do Boletim Epidemiológico Aids/DST 2010 afirma que, embora os jovens tenham elevado o conhecimento sobre a prevenção da patologia, há tendência de crescimento do HIV entre eles. O levantamento feito com mais de 35 mil garotos de 17 a 20 anos indica que, em cinco anos, a prevalência do vírus nessa população passou de 0,09% para 0,12%.
No Dia Mundial de Luta Contra a Aids (1º de dezembro), confira dez mitos sobre a enfermidade, que fazem parte da campanha 10 Mitos e 1 Verdade: a Aids existe. Previna-se, realizada em São Paulo pelo Instituto Kaplan - Centro de Estudos da Sexualidade Humana, com o apoio da Abbott. As explicações abaixo são de Camila Macedo Guastaferro, psicóloga, educadora sexual e coordenadora de projetos do Instituto Kaplan.


10 MITOS SOBRE A DOENÇA
1 - HIV e Aids são a mesma coisa
O HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o vírus causador da Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), doença que ataca o sistema imunológico. Há muitas pessoas soropositivas (com o vírus) que vivem durante anos sem desenvolver a síndrome.

2 - Não é preciso se preocupar com a Aids porque já existe tratamento
Em primeiro lugar, a Aids tem tratamento, mas não apresenta cura. Além disso, os medicamentos devem ser tomados por toda a vida e podem causar efeitos colaterais, como diarreia e vômito.

3 - Quem é HIV positivo não precisa fazer sexo seguro
Sexo sem proteção pode fazer com que a pessoa entre em contato com outro subtipo de HIV ou ainda aumente a sua carga viral. Fora isso, abre espaço para contrair outras doenças sexualmente transmissíveis.

4 - Sexo oral não transmite o HIV
O sexo oral também proporciona contato direto com secreções sexuais e, caso haja algum ferimento na boca ou no tubo gástrico de quem o faz, pode ocorrer a transmissão, sim.

5 - Um casal virgem não corre risco de pegar HIV
O vírus não é transmitido apenas pelo sexo. Pode-se contraí-lo ao compartilhar seringas e agulhas; em transfusão de sangue contaminado; durante o parto normal. Portanto, alguém virgem pode ser portador do vírus e passá-lo.

6 - Quem tem parceiro fixo não precisa usar camisinha
Mesmo se for feito um teste que comprove que o parceiro não é portador do HIV, ele pode adquirir depois.

7 - Quem tem HIV não pode ter filhos
Se o casal tem algum portador do vírus, é importante procurar por um médico para indicar as formas de evitar a transmissão para o filho e o parceiro. Vale mencionar que o HIV não afeta a fertilidade.

8 - A Aids pode ser transmitida pelo beijo
A saliva não tem carga viral suficiente para transmitir a doença. Mas, se o portador tiver um sangramento considerável na boca e o parceiro apresentar uma ferida, pode haver contágio. A situação é rara.

9 - O teste de HIV só deve ser feito quando há suspeita de Aids
É importante descobrir o vírus o quanto antes para evitar a Aids e suas complicações. Portanto, quem praticou sexo inseguro, compartilhou seringas e teve contato com sangue deve fazer o teste.

10 - Quem tem HIV desenvolverá Aids, inevitavelmente
O tratamento oferece a possibilidade de a Aids não se manifestar.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Dia do Estatuto da Terra ou Dia da Reforma Agrária


Hoje é o dia do Estatuto da Terra

"Em vez de dividir a propriedade, o capitalismo impulsionado pelo regime militar brasileiro (1964-1984) promoveu a modernização do latifúndio, por meio do crédito rural fortemente subsidiado e abundante. 



O dinheiro farto e barato, aliado ao estímulo à cultura da soja - para gerar grandes excedentes exportáveis - propiciou a incorporação das pequenas propriedades rurais pelas médias e grandes: a soja exigia maiores propriedades e o crédito facilitava a aquisição de terra. Assim, quanto mais terra tivesse o proprietário, mais crédito recebia e mais terra podia comprar.
Nesse período, toda a economia brasileira cresceu com vigor - eram os tempos do milagre brasileiro -, o país urbanizou-se e industrializou-se em alta velocidade, sem ter que democratizar a posse da terra, nem precisar do mercado interno rural. O projeto de reforma agrária foi esquecido e a herança da concentração da terra e da renda permaneceu intocada. O Brasil chega às portas do século 21 sem ter resolvido um problema com raízes no século 16.

Para alguns, a reivindicação da reforma agrária seria hoje um anacronismo, diante da pujança da agricultura moderna. No entanto, afirmar que a agricultura brasileira foi transformada ao ponto de prescindir da reforma agrária só se justifica para aqueles que se filiam direta à matriz conservadora, da modernização do latifúndio.

Uma agricultura moderna é, antes de tudo, aquela que resolve a questão da propriedade da terra do ponto de vista da sociedade moderna, isto é, aquela que põe a propriedade a serviço da produção. E é isto justamente o que faltou completar na chamada modernização conservadora da agricultura brasileira, que manteve, em seus fundamentos, a estrutura fundiária herdada dos tempos coloniais.

No Brasil, a modernização foi feita sob o comando da terra, isto é, foi feita pelos e para os proprietários fundiários, gerando uma tensão entre a propriedade e a produção que afeta a profundidade da própria modernização. "


Monumento aos 19 trabalhadores sem-terra
mortos após confronto com a Polícia Militar em abril de 1996 no Pará
(reporterbrasil.org.br - Foto: Leonardo Sakamoto)


"O Estatuto da Terra, expressão do pacto social entre o estado e os grandes proprietários de terra, revelou uma enorme tolerância no que se refere às firmas e ao ritmo de modernização do setor e aos compromissos sociais que este deveria assumir. Segundo os dados do INCRA, em 1932, 30 anos após a promulgação do Estatuto da Terra, a área dos latifúndios corresponde a 66,5% da área total dos imóveis e apenas ll% dos imóveis rurais são classificados como empresa rural.

Além disso, são 185 milhões de hectares - 40% da área aproveitável permanecem improdutivos. Camuflando os latifúndios e diluindo o caráter improdutivo sobre o conjunto dos imóveis, os grupos ruralistas mais conservadores conseguiram jogar para debaixo do tapete o fato de que a propriedade da terra continua representando um obstáculo ao pleno desenvolvimento da agricultura.

É com este disfarce que pretendem enfrentar a modernidade do mercado agrícola, que alcança atualmente uma dimensão internacional. Resta saber se estes mercados poderão conceder ainda ao latifúndio uma sobrevida, que lhe foi assegurada até o presente pelas forças políticas dominantes no interior do País. "




segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Bom Dia de Trabalho...



Você que chegou ao seu trabalho. Ore e peça ILUMINAÇÃO…
Faça a agenda e programe seu dia. Isso chama-se REFLEXÃO…
Agora com tudo planejado, comece a trabalhar. Isso chama-se AÇÃO...
Acredite que tudo vai dar certo. Isso chama-se FÉ...
Faça tudo com alegria. Isso chama-se ENTUSIASMO…
Dê o melhor de si. Isso chama-se PERFEIÇÃO…
Deus está com você. Isso chama-se AMOR!

domingo, 28 de novembro de 2010

ASSANTO visita famílias beneficiadas pelo Programa 1 MILHÃO DE CISTERNAS e orientam no tratamento da água

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PARA A CONVIVÊNCIA COM O SEMI-ÁRIDO - UM MILHÃO DE CISTERNAS RURAIS-P1MC

ASSANTO visita famílias beneficiadas pelo Programa 1 MILHÃO DE CISTERNAS no Distrito de Santo Antonio. Esta comunidade foi atendida com mais de 20 unidades de cisternas.

Família Marinho 

Família Moura

video
Depoimento da dona de casa Mirian Alves


Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC), coordenado pela Articulação do Semi-Árido (ASA), uma coalizão de mais de 750 entidades e organizações da sociedade civil de 11 estados - Igrejas Católica e Evangélica, ONGs de desenvolvimento e ambientalistas, associações de trabalhadores rurais e urbanos, associações comunitárias, sindicatos e federações de trabalhadores rurais, movimentos sociais, organismos de cooperação nacionais e internacionais, públicos e privados.
A cisterna é construída por pedreiros das próprias localidades, formados e capacitados pelo TERRA VIVA e, pelas próprias famílias, que executam os serviços gerais de escavação, aquisição e fornecimento da areia e da água. Os pedreiros são remunerados e a contribuição das famílias nos trabalhos de construção se caracteriza com a contrapartida no processo. Se a água da cisterna for utilizada de forma adequada – para beber, cozinhar e escovar os dentes – dura, aproximadamente, oito meses.
Cada cisterna tem capacidade de armazenar 16 mil litros de água. Essa água é captada das chuvas, através de calhas instaladas nos telhados. Com a cisterna, cada família fica independente, autônoma e com a liberdade de escolher seus próprios gestores públicos, buscar e conhecer outras técnicas de convivência com o Semi-Árido e com mais saúde e mais tempo para cuidar das crianças, dos estudos e da vida, em geral.

SEGURANÇA E TRATAMENTO DA ÁGUA DA CISTERNA

Água de Qualidade: Um Direito de Todos!

Muitas famílias que vivem no Semi-Árido brasileiro ainda enfrentam sérias dificuldades em garantir água para beber e cozinhar. De fato, as pessoas caminham quilômetros para buscar água em açudes e barreiros, partilhando com animais que urinam e defecam nela. Esta água contaminada é, muitas vezes, a única disponível e por isso, utilizada para todos os gastos da família, inclusive para beber e cozinhar.
Com as cisternas de placa a água será armazenada proveniente das chuvas e com melhor qualidade, mais apesar de ser boa e de melhor qualidade em relação a água de barreiros e cacimbas, é importantíssimo que seja feito o tratamento da água para melhorar ainda mais a sua qualidade.

Como Tratar a Água da Cisterna

É muito simples tratar a água de beber e cozinhar. Basta fazer a cloração da água usando cloro em pó ou Água Sanitária.

USO DA ÁGUA SANITÁRIA: Recomenda-se usar 1ml para cada 10 litros de água, ou uma colher de sopa para cada 20 litros de água. Após a aplicação deve-se esperar 1 hora antes de consumir.
USO DO CLORO EM PÓ: Recomenda-se 3 gramas para cada 1000 litros de água. Assim, para uma cisterna de 16.000 litros são necessários 48 gramas para cloração.

IMPORTANTE!!!
O Cloro em pó deve ser diluído em água antes de ser espalhado na água da cisterna.

Quantidades

Para 16000 litros - 1600ml de Água Sanitária (8 copos de 200ml).
Para 1000 litros - 100ml de Água Sanitária (2 copinhos de café ou meio de 200ml).
Para 200 litros - 20ml de Água Sanitária (pode-se usar uma seringa para medir).
Para 20 litros - 2ml de Água Sanitária (pode-se usar uma seringa para medir).
Para 1 litro - 0,045ml de Água Sanitária (duas gotas).
Só poderão consumir após 30 minutos no mínimo!

Cuidados Importantes Com as Cisternas

*As águas das primeiras chuvas servem para lavar o telhado, devendo ser desprezadas;
*Os encanamentos devem ser lavados todos os anos com água sanitária;
*Recomenda-se a utilização de bombas manuais para retirada de água das cisternas;
*As cisternas devem permanecer sempre bem fechadas para evitar a entrada de animais e insetos;
*Uma cerca deve isolar a área da cisterna evitando o acesso de animais domésticos e crianças menores.

Outras Dicas Importantes

A prática da cloração da água é fundamental para a melhoria da qualidade consumida pelas famílias rurais;
É importante utilizar somente a quantidade de cloro em pó e/ou água sanitária recomendada. Ambos são produtos químicos e podem causar danos a saúde.


sábado, 27 de novembro de 2010

INTER TV - CABUGI (Filiada a Rede Globo) Faz reportagem sobre o problema da água em nosso Distrito de Santo Antonio

A INTER TV - CABUGI (Filiada a Rede Globo), esteve em nossa comunidade junto a ASSANTO realizando uma reportagem sobre a situação desesperadora dos moradores locais, a falta de água potável para o consumo humano.
Realizando entrevistas, colhendo informações para que alguém se sensibilize e tente resolver o nosso PROBLEMÃO.
A comunidade se encontra abandonada, e de quem é a responsabilidade?
RESPONDA NOSSA ENQUETE


CLICK NO LINK E ASSISTA A REPORTAGEM
http://in360.globo.com/rn/noticias.php?id=7654 

Comitê Gestor do Projeto da Cajucultura no RN se reúne em Apodi/RN.

Comitê Gestor do Projeto da Cajucultura no Rio Grande do Norte se reúne em Apodi/RN nos dias 09 e 10 de Dezembro de 2010. É um encontro de Avaliação e Planejamento e a ASSANTO estará presente.

Nota do Blog
Boa oportunidade para que o poder público da nossa cidade (Severiano Melo/RN) se fizesse presente para conhecer e poder nos ajudar a planejar o ano de 2011. 

Encontro da ASA (Articulação no Semi-Árido) em Apodi/RN

 Paulo - Terra Viva


Plenária (Sérgio de roxo)


Gleison - ASSANTO

Encontro da ASA (Articulação do Semi-Árido), 24 e 25 de Novembro de 2010 no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) Apodi/RN, com a presença dos Municípios da Microrregional Médio Oeste Potiguar:
ALMINO AFONSO
APODI
BARAÚNA
CAMPO GRANDE
FELIPE GUERRA
GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO
ITAÚ
JANDUÍS
MESSIAS TARGINO
OLHO D’ÁGUA DO BORGES
PATÚ
RAFAEL GODEIRO
RODOLFO FERNANDES
SEVERIANO MELO
TRIUNFO POTIGUAR
UPANEMA
O Município de Severiano Melo representado por Sérgio Oliveira – Presidente da ASSANTO e representante do FÓRUM MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES – e Gleison Martins – Diretor Financeiro da ASSANTO.
Abaixo segue planilha com datas das próximas reuniões da ASA em 2010 com as cidades já definidas tanto para as ordinárias como para as extraordinárias. Observe!



A UFRN visita a ASSANTO

A nossa parceira UFRN visita a ASSANTO e realiza oficina de avaliação dos trabalhos realizados com parceria no Projeto da Cajucultura no Rio Grande do Norte.

 Professor Woshington da UFRN em conversa com os sócios trabalhadores da Unidade.

Sócios participam atentos na oficina da UFRN, todos sabem a importância da participação da UFRN no projeto.

Gleison Martins - Diretor Financeiro da ASSANTO (de branco) e Juarez - UFRN (de azul) registrando todos os momentos da oficina.

Atividades realizadas pela ASSANTO no decorrer de 2010.

ASSANTO promove dia de lazer para os trabalhadores da Unidade de Beneficiamento de Castanha e seus familiares em Portalegre/RN em comemoração ao DIA DO TRABALHADOR.

ASSANTO promove dia de lazer para os trabalhadores da Unidade de Beneficiamento de Castanha e seus familiares em Portalegre/RN em comemoração ao DIA DO TRABALHADOR.

A ASSANTO é COMISSÃO da Festa do Padroeiro Santo Antonio 2010, que acontece de 03 a 13 de Junho no nosso DISTRITO que leva o nome do Padroeiro. (Sérgio - Presidente da ASSANTO, Fátima Torres - Presidenta da COOPAPI e Gleison Martins - Dir. Financeiro da ASSANTO)

 Imagem da barraca da Festa em noite de seresta com destaque para o senhor de boné vermelho, Dr. Simplício Holanda - representante da EMPARN e sócio da ASSANTO na maior animação na companhia de sua esposa a Sra. Dalva.

 As associadas da ASSANTO no Curso de fitocosméticos (Sabonetes Medicinais) realizado no CCI (Cento de Convivência dos Idosos) de Severiano Melo/RN. - Projeto Pegadas de Lampião.

As associadas da ASSANTO no Curso de fitocosméticos (Sabonetes Medicinais) realizado no CCI (Cento de Convivência dos Idosos) de Severiano Melo/RN. Projeto Pegadas de Lampião.

ASSANTO junto a ONG TERRA VIVA fazendo a marcação das cisternas do Projeto 1 MILHÃO DE CISTERNAS, projeto esse que beneficiou 69 famílias no município de Severiano Melo/RN, sendo mais de 20 cisternas no Distrito de Santo Antonio e adjacência.

ASSANTO junto a ONG TERRA VIVA fazendo a marcação das cisternas do Projeto 1 MILHÃO DE CISTERNAS, projeto esse que beneficiou 69 famílias no município de Severiano Melo/RN, sendo mais de 20 cisternas no Distrito de Santo Antonio e adjacência.

Diretoria da ASSANTO (Sérgio - Presidente, Verônica - Vice-Presidente e Ismar - Secretário) Recepcionando a COSERN para execução do Projeto das Trocas de Geladeiras (Parceria entre FBB e Neo Energia e com apoio da ASSANTO).

Sócios e outras pessoas da comunidade se beneficiando do Projeto das Trocas de Geladeiras. Isso nos alegra por a ASSANTO está cumprindo o seu dever lutando pelo desenvolvimento da comunidade.


CIDADE DE SEVERIANO MELO
NOMEENDEREÇO
Antonia Amor de Lima CostaRua Manoel sergio 89- santo antonio
Antonia Erineide da NobregaRua estefanio nunes 115- santo antonio
Antonia Suleide Gomes da SilvaRua pedro de alcantara 80- santo antonio
Antonio Francisco ferreira da silvaSitio Baixa Vermelha 66
Benta Maria da SilvaRua dos Felipe lima 152- santo antonio
Ceci Monteiro Cavalcante CostaRua manoel martins 45 - santo antonio
Deilza Maria da Conceiçãorua pedro martins 85 - Santo Antonio
Edilene Gomes da SilvaSitio quebradas 31
Felipe Ferreira LimaRua dos Felipe lima 50- santo antonio
Francimaura Maria de LimaRua Jose Januario Barreto 240- s. antonio
Francineide de Medeiros M PontesRua projetada 004- santo antonio
Francisca das Chagas Batista LeiteSitio Baixa Vermelha65
Francisca das Chagas de OliveiraRua Francisco holanda 293-santo antonio
Francisca Pinheiro CoringaRua estefanio nunes 24- santo antonio
Francisca Soares da Silva CostaRua atras da telemar - santo antonio
Francisco Martins da CostaRua dos Felipe lima 486- santo antonio
Isaura Martins da Costa MouraRua pedro martins 153 - Santo Antonio
Ivanir Maria de limaRua Francisco Holanda 273- santo antonio
João Paulo medeirosRua pedro de alcantara 239- santo antonio
Jose Egito HolandaSitio Passagem Limpa 30
Leônia de Brito Guerra Nunespovoado de santo antonio-57
Lindaci Miranda de Freitas HolandaRua frança Batista 258- santo antonio
Luciana de Almeida Medeiros LimaRua pedro de alcantara 325- santo antonio
Luciene Maria LeiteSitio Baixa vermelha
Luciene Maria LeiteSitio Baixa vermelha
Luiza Maria de LimaRua atras da telemar 68- santo antonio
Luiza Miranda de Freitas OliveiraRua dos Pedocas, 21 - Santo Antonio
Margarida Ana de Almeidasitio baixa vermelha
Maria Celeide de MouraRua Francisco Holanda- santo antonio
Maria Dalvanir da Silva HolandaRua Manoel Martins 25- santo antonio
Maria das Graças MouraRua treze de maio 50- santo antonio
Maria de Fatima de mouraRua estefanio nunes 38- santo antonio
Maria de Fatima GomesRua Estefanio Nunes201- santo antonio
Maria de Lourdes AzevedoRua do sol- santo antonio
Maria do Carmo LimaRua pedro de Alcantara387- santo antonio
Maria Francisca de FreitasSitio ipoeira 2790
Maria Lucineide da Conceição MouraRua treze de maio 62- santo antonio
Maria luisa Pereira da CostaPovoado santo antonio 101
Maria Luzeni de Freitas MotaRua dos Felipe lima 23- santo antonio
Maria Santissima H MedeirosRua Manoel sergio 71 - Santo antonio
Maria Suzana Nunes de FraiasRua dos felipe lima - santo antonio
Maria veronica AzevedoRua Manoel sergio 61- santo antonio
Maria veronica AzevedoRua Manoel sergio 61- santo antonio
Maria Zilda Leite Moura CostaRua manoel martins 113- santo antonio
Maria Zita de Lima MouraRua Francisco Holanda 91- santo antonio
Raimundo Alves FeitosaRua do sol 516- santo antonio
Silvestre Nunes de FariasRua pedro martins 91- santo antonio
Zeno Flaviano de MedeirosFazenda nova 45



O II Encontro de Cajucultores do Nordeste reúne os principais estados produtores de caju da região: o Piauí, a Bahia, o Ceará e o Rio Grande do Norte. O evento aconteceu na cidade de Parnamirim que é conhecida por abrigar o maior cajueiro do mundo. Plantado em 1888, árvore possui atualmente 8.300 m2.
A ASSANTO estava muito bem representada pelo Presidente - Sérgio Oliveira, pela agricultora Sra. Helena Medeiros (no centro da imagem) e pela trabalhadora da Unidade de Beneficiamento de Castanha de Caju Sra. Zilda Leite.

II ENCONTRO DE CAJUCULTORES DO NORDESTE em Natal/RN. Representantes da ASSANTO, Helena Medeiros (de branco) e Zilda Leite (de laranja).

A ASSANTO participa do Curso de Gastronomia do Caju e Amêndoas, realizado no salão pastoral da Igreja de Nossa Senhora das Graças na sede do município de Severiano Melo/RN.

A ASSANTO participa do Curso de Gastronomia do Caju e Amêndoas, realizado no salão pastoral da Igreja de Nossa Senhora das Graças na sede do município de Severiano Melo/RN.

Blog da ASSANTO volta a ativa!

Hoje, Sábado, 27 de Novembro de 2010 o Blog da ASSANTO volta a ativa. Pedimos desculpas aos nossos seguidores, blogueiros e todos que nos acompanham pela nossa ausência durante este quase um ano. A partir de hoje todos poderão acompanhar nossa caminhada, nossa luta, nossos anseios por uma sociedade melhor e com mais oportunidade.